NOTÍCIAS

Dos saques do FGTS e PIS, R$ 3,3 bi serão gastos com vestuário

Data: 22/08/2019

A liberação de saques de contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e PIS/Pasep deve dar uma injeção de ânimo ao varejo de vestuário, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Os trabalhadores devem gastar R$ 3,3 bilhões dos recursos resgatados em compras de peças de vestuário, na estimativa da confederação. 

Segundo Fabio Bentes, economista da Divisão Econômica da CNC, há uma demanda reprimida por esse tipo de bem, mas o limite mais baixo dos saques este ano (até R$ 500) deve contribuir para que esse setor do varejo absorva uma fatia considerável dos saques disponibilizados. "O tíquete médio do setor permite mais a utilização desses recursos do que, por exemplo, na compra de veículos", afirmou o economista.

A equipe econômica prevê que as medidas de estímulo anunciadas pelo governo injetem R$ 30 bilhões na economia brasileira este ano, além de outros R$ 12 bilhões em 2020. Os saques começam em setembro. Dos R$ 28 bilhões do FGTS e R$ 2 bilhões do PIS/Pasep previstos para serem liberados entre setembro e dezembro de 2019, 11% devem ser gastos com vestuário.

A perspectiva de aumento nas vendas já se reflete na valorização das ações de empresas do segmento no mercado financeiro. Segundo Bentes, desde meados de julho, sete das nove ações ordinárias do setor apresentaram valorizações maiores que o Ibovespa. O varejo de vestuário tem sofrido com a demanda doméstica ainda fraca, o que inibe reajustes de preços.

Nos 12 meses encerrados em julho, os preços médios de artigos de vestuário subiram 0,46%, o menor resultado em 20 anos, segundo os dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Entre os 29 itens pesquisados mensalmente pelo IBGE, dez estão mais baratos do que há um ano. Os destaques foram as quedas nos preços de bolsas (-3,85% em 12 meses até julho), agasalho feminino (-3,60%) e terno (-3,29%).

O crédito caro e a inércia no mercado de trabalho têm inibido o processo de recuperação das vendas, com reflexos também na demanda por trabalhadores, lembrou o economista Fabio Bentes. Nos 12 meses encerrados em junho, o segmento de vestuário foi o que mais fechou postos formais de trabalho no varejo: foram 10,1 mil vagas a menos.

De acordo com a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), também do IBGE, as vendas do setor de vestuário recuaram 0,4% no primeiro semestre, em relação ao mesmo período do ano passado, ficando à frente somente dos segmentos de livrarias em papelarias (-27,0%) e de móveis e eletrodomésticos (-1,1%).

A CNC acredita que a disponibilização dos recursos do PIS/Pasep e FGTS consiga impulsionar as vendas já em setembro. A entidade lembra que a adoção desse tipo de programa não garante resultados duradouros, mas que "a resposta do consumo se dá de forma relativamente rápida".

 


FONTE: Diario do Comercio

POR:  Estadão Conteúdo



PARCEIROS